5 dicas para separar totalmente seus gastos de pessoa física e pessoa jurídica

Por: | Data: junho 2, 2022

Gastos de pessoa física e pessoa jurídica

Separar os gastos de pessoa jurídica e da pessoa física é essencial para manter o controle financeiro do CPF e do CNPJ. Quando não há a separação das receitas e despesas da empresa e do empreendedor algumas implicações podem ocorrer, como gastar a mais do que deveria e não saber qual é o verdadeiro lucro do empreendimento.

O descontrole financeiro das empresas, diversas vezes, é ocasionado pelo uso excessivo dos recursos da pessoa jurídica pelo proprietário. Por isso, é altamente recomendável separar as finanças da empresa e da pessoa física. Confira 5 dicas sobre como manter a organização financeira do seu negócio:

1-    Separe as contas bancárias

Para uma boa organização financeira é importante ter uma conta bancária para a pessoa física e outra para pessoa jurídica. Deste modo é muito mais fácil não misturar os gastos pessoais das entradas e saídas da empresa.

2-    Faça uma análise financeira

Para separar todos os gastos da pessoa jurídica anote os débitos da empresa, como financiamentos, despesas, custos e também a receita do mês. Com esse controle você saberá qual é o lucro em determinado período do negócio.

O mesmo deve ser feito em relação aos gastos pessoais. Para esse controle pode ser utilizado uma planilha, um sistema para finanças ou até mesmo anotações em um caderno. Somente após realizar essa análise financeira das receitas x despesas, o empreendedor saberá como anda o orçamento e poderá criar ações que ajudem no controle financeiro.

Contabilidade Online

3-    Defina um salário ou pró-labore

É fundamental definir um salário a título de retirada pró-labore como remuneração ao trabalho exercido pelo empreendedor. Esse valor não deve ser confundido com o lucro, que somente poderá ser utilizado após apurado.

Para definir o valor do pró-labore pesquise no mercado qual a remuneração do profissional que exerça a mesma função que a sua na empresa. A retirada poderá ser reajustada sempre que necessário e é esse valor que o empreendedor utilizará para a manutenção de seus gastos pessoais.

O valor retirado mensalmente deverá ser transferido para a conta pessoa física do empreendedor. Evite utilizar dinheiro da pessoa jurídica com a promessa de posteriormente repor, essa atitude é um erro e desestabiliza o financeiro da empresa.

4-     Controle o fluxo de caixa

O controle do fluxo de caixa deve ser diário, garantindo maior organização do dinheiro da pessoa jurídica. Anote todas as entradas e saídas da empresa para realizar uma melhor gestão financeira.

5-    Conte com uma reserva de emergência

Tanto a pessoa jurídica, quanto a pessoa física devem contar com uma reserva de emergência para possíveis imprevistos. Com a organização das finanças, separe um valor mensalmente para manter em caixa uma reserva.

É importante evitar que se use a disponibilidade da pessoa jurídica, por exemplo, para cobrir imprevistos pessoais e vice-versa. Garantir um caixa pode aliviar o estresse e preocupações nos momentos de dificuldades.

Manter os gastos da pessoa jurídica e da pessoa física em conjunto não é uma atitude saudável para a organização financeira da empresa. É importante separar as contas bancárias e também anotar e analisar todas as despesas do CNPJ e do CPF. Com um bom controle financeiro, tanto a empresa quanto o proprietário sairá no lucro.

Gostou de nossas dicas de como separar os gastos da pessoa física e pessoa jurídica? Você sabe a importância de uma boa gestão financeira? Aproveite e conheça 10 dicas de gestão financeira para pequenas empresas.