O que é GRF: Confira e tire suas dúvidas

Por: | Data: outubro 27, 2021

O que é GRF

GRF é a sigla para Guia de Recolhimento do FGTS, documento que contém informações sobre a remuneração dos funcionários de uma empresa e que é utilizada para pagamento do FGTS – Fundo de Garantia do Tempo de Serviço.

Você possui dúvidas em relação à GRF e ao pagamento do FGTS? Então, você chegou ao lugar certo.

Neste conteúdo, vamos esclarecer todas as possíveis dúvidas relacionadas ao assunto, vale a pena conferir!

Qual a diferença entre GFIP e GRF?

GFIP é a sigla para Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e Informações à Previdência Social, documento que contém informações e valores para o pagamento do FGTS e do INSS sobre a folha de pagamento das empresas.

A guia em questão era gerada no momento em que as empresas enviavam as informações e valores da sua folha de pagamento por meio do sistema SEFIP – Sistema Empresa de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social até a sua versão 7.0.

No entanto, nas versões mais recentes do sistema, a GFIP passou a ser chamada GRF – Guia de Recolhimento do FGTS.

Logo, podemos concluir que GFIP e GRF são siglas relacionadas a uma mesma guia, ou seja, a Guia para recolhimento do FGTS e INSS.

Quem deve enviar a SEFIP e gerar a GRF?

De acordo com a legislação em vigor, todas as pessoas físicas ou jurídicas que efetuam o recolhimento do FGTS e prestam informações relacionadas ao recolhimento do INSS sobre pró-labore e folha de pagamento para a Previdência Social, precisam enviar à SEFIP e gerar a GRF.

Vale destacar que até mesmo o MEI – Microempreendedor Individual que possui funcionário, está obrigado a enviar mensalmente a SEFIP e gerar a GRF.

Contabilidade Online

Como emitir a guia GRF?

A emissão da guia GRF é realizada por meio da SEFIP, programa gratuito disponibilizado pela Caixa Econômica Federal.

Para que seja possível emitir a guia, a empresa responsável pela sua emissão, precisa preencher o sistema com algumas informações, são elas:

  • Dados cadastrais do empregador e contribuinte;
  • Remunerações dos trabalhadores;
  • Afastamentos e retornos de funcionários;
  • Valor do Salário-família; (quando houver);
  • Valor do Salário-maternidade (quando houver);
  • Compensações;
  • Exposição a agentes nocivos;
  • Dentre outras informações.

Após preencher todas as informações necessárias, siga o passo a passo:

  1. Clique em “Executar” para gerar o arquivo SEFIP;
  2. Entre no site da Conectividade Social ICP, utilizando o certificado digital da empresa;
  3. Clique em “Caixa Postal” e depois em “Nova Mensagem”;
  4. Selecione a opção “Envio de arquivo SEFIP“;
  5. Informe o município da empresa;
  6. Clique em “Anexar Arquivo”
  7. Selecione o arquivo gerado pelo programa SEFIP e clique em “Enviar”;
  8. Salve o arquivo protocolo no seu computador;
  9. Acesse o menu “Relatórios” e clique em “GRF”;
  10. Na sequência, clique em “Arquivo ICP”;
  11. Selecione o protocolo e clique em abrir;
  12. Por fim, clique em “Imprimir” ou “Gerar PDF”, para obter as guias GPS e GRF.

Vale destacar que o procedimento apresentado acima deve ser realizado por um contador, pois o preenchimento incorreto das informações pode gerar inconsistências na geração e pagamento da GRF e da GPS, gerando multas e outras penalidades.

Qual é o prazo para pagamento da GRF?

De acordo com a legislação em vigor, a Guia de Recolhimento do FGTS – GRF deve ser quitada até o dia 07 (sete) de cada mês, com informações referentes à folha de pagamento do mês anterior.

Por sua vez, quando não houver expediente bancário no dia 07, o prazo a ser considerado para recolhimento é o dia útil imediatamente anterior.

Qual o valor da multa por atraso no envio da SEFIP e geração da GRF?

De acordo com a legislação em vigor, a multa por atraso no envio da GRF corresponde a 2% ao mês, sobre o valor das contribuições, sendo respeitado o percentual máximo de 20%.

Além disso, o valor mínimo da multa em questão corresponde a R$ 200,00 no caso de declaração sem fato gerador e R$ 500,00 nos demais casos.

Qual o valor da multa por atraso no pagamento do FGTS?

Além da multa por gerar a GRF em atraso, a empresa que efetua o recolhimento do FGTS – Fundo de Garantia do Tempo de Serviço após o vencimento, também fica sujeita a multas.

De acordo com o artigo 22 da Lei nº 8.036, de 11 de maio de 1990, o empregador que não efetuar o pagamento do FGTS no prazo devido, fica sujeito ao pagamento de juros de 0,5% ao mês, confira:

“Art. 22. O empregador que não realizar os depósitos previstos nesta Lei, no prazo fixado no art. 15, responderá pela incidência da Taxa Referencial – TR sobre a importância correspondente.

  • 1o Sobre o valor dos depósitos, acrescido da TR, incidirão, ainda, juros de mora de 0,5% a.m. (cinco décimos por cento ao mês) ou fração e multa, sujeitando-se, também, às obrigações e sanções previstas no Decreto-Lei no 368, de 19 de dezembro de 1968.”

Além disso, será cobrada uma multa de 5% a 10% sobre o valor devido, veja:

“§ 2o-A. A multa referida no § 1o deste artigo será cobrada nas condições que se seguem:

I – 5% (cinco por cento) no mês de vencimento da obrigação;

II – 10% (dez por cento) a partir do mês seguinte ao do vencimento da obrigação.”

Qual o valor mensal da guia GRF?

As empresas precisam efetuar mensalmente o pagamento da guia GRF calculada na importância de 8% sobre a remuneração dos funcionários e 2% sobre a remuneração do menor aprendiz.

É importante destacar que a responsabilidade por esse pagamento é inteiramente da empresa, ou seja, o valor não pode ser descontado da folha de pagamento dos funcionários.

Contabilidade para cálculo de folha de pagamento

Procurando um serviço de contabilidade para cálculo da folha de pagamento de funcionários e pró-labore dos sócios?

Conte com a Já Calculei, temos planos sob medida para as necessidades do seu negócio e serviços completos em contabilidade.

Para saber mais e tirar suas dúvidas, clique aqui, entre em contato conosco e converse com um dos nossos contadores.